Núcleo para o Braille e Meios Complementares de Leitura

O Núcleo para o Braille e Meios Complementares de Leitura (Núcleo Braille), foi criado pelo Despacho Conjunto n.º 12966/2009 , de 2 de Junho (Diário da República, 2.ª série, N.º 106), dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social, da Educação, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Cultura, tendo como objetivos:

  • Garantir padrões elevados de qualidade quanto à conceção, uso, aplicação, modalidades de produção e ensino do sistema braille e meios complementares de leitura para pessoas cegas ou amblíopes;
  • Avaliar e controlar o sistema braille e os meios complementares de leitura.

Competências:

  • Assegurar a articulação e otimização das atividades das entidades que se dedicam à produção ou utilização de materiais especiais de leitura em braille;
  •  Emitir parecer sobre quaisquer questões relacionadas com a definição e aplicação do braille e de outros meios complementares de leitura para as pessoas cegas ou amblíopes;
  • Propor medidas de harmonização da produção de materiais de leitura para as pessoas com deficiência visual, e de uniformização dos critérios de utilização, ensino e aprendizagem e produção do braille em Portugal;
  • Prestar apoio técnico a entidades públicas e privadas sobre questões relativas ao uso do sistema braille e de outros meios complementares de leitura para as pessoas cegas ou amblíopes;
  • Avaliar e adaptar a simbologia braille face à evolução técnico-científica;
  • Elaborar propostas de diferentes grafias e novas simbologias braille;
  • Recomendar, com base em pesquisas, estudos, tratados e convenções, procedimentos que envolvam conteúdos, metodologias e estratégias de ações de ensino e aprendizagem do sistema braille com carácter de especialização, formação e reciclagem de professores e técnicos, cursos destinados a utilizadores e à comunidade em geral;
  • Acompanhar a aplicação dos recursos tecnológicos com vista à sua adequada utilização e rentabilização;
  • Elaborar propostas normativas e administrativas, bem como recomendações às entidades públicas e privadas sobre a harmonização, desenvolvimento, produção e ensino do sistema braille e dos meios complementares de leitura para pessoas cegas ou amblíopes.

Composição

O Núcleo Braille funciona no âmbito da estrutura do Instituto Nacional para a Reabilitação e é constituído pelos seguintes Membros:

  • Um representante designado pelo Presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional para a Reabilitação, que coordena - Dr. Miguel Ferro, coadjuvado pela Mestre Patrícia Santos;
  • Um representante designado pelo Ministério da Educação - Mestre Cristina Miguel;
  • Um representante designado pelo Ministério da Cultura, ligado à área de leitura especial da Biblioteca Nacional de Portugal - Dr. Carlos Ferreira;
  • Um representante da Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) - Mestre Irina Francisco;
  • Três individualidades de reconhecido mérito com competência técnico -científica em áreas ligadas ao braille ou meios complementares de leitura - Dr.ª Alice Ribeiro, Professor Doutor Augusto Deodato Guerreiro e Mestre Serafim Queirós.

Atividade:

Seminário “A Didática do Braille”

No dia 8 de janeiro de 2020, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Braille, realizou-se na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT), em Lisboa, o Seminário “A Didática do Braille”, promovido pelo Núcleo para o Braille e Meios Complementares de Leitura (coordenado pelo Instituto Nacional para a Reabilitação (INR, I.P.), em colaboração com a ULHT e com a Pró-Inclusão – Associação Nacional de Docentes de Educação Especial (Pin-ANDEE), a qual reconheceu e certificou o evento como Ação de formação de Curta Duração para professores, nos termos do Despacho n.º 5741/2015, alterado pela Declaração de Retificação n.º 470/2015, de 11 de junho.

Este evento teve como tema central a didática do braille na intervenção precoce, ao longo da escolaridade obrigatória, do ensino superior e também na idade adulta, em casos de perda de visão tardia, , e os seguintes objetivos:
- Assinalar o Dia Mundial do Braille de 2020 através da partilha de estratégias promotoras do uso deste sistema de leitura e escrita;
- Promover a partilha de ferramentas e metodologias de trabalho úteis, aplicadas nos vários níveis de ensino/educação, para a aprendizagem do sistema braille por parte de crianças e adolescentes com deficiência visual;
- Refletir criticamente sobre as estratégias mais adequadas para ensinar braille a adultos;
- Fomentar a troca de experiências e de práticas inovadoras na produção de materiais por parte dos docentes e/ou instituições que trabalhem para pessoas cegas e com baixa-visão;
- Sintetizar, a partir da partilha de metodologias de trabalho com evidências de sucesso, as estratégias utilizadas para ensinar braille a crianças, jovens e adultos.

Da mesa de abertura fizeram parte o Magnífico Reitor da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Mário Moutinho e o Presidente do Conselho Diretivo do INR, I.P., Humberto Santos.

O Programa do Seminário contou com 4 painéis de oradores, os quais tiveram como títulos “Desenvolvimento de contextos de literacia Braille emergente em idade préescolar”;
“O Ensino-aprendizagem do Braille no Ensino Básico e Secundário: estratégias / atividades promotoras do ensino e usabilidade do Braille em crianças e jovens”; “O Braille na formação de professores em Portugal” e “A Didática do Braille e a alfabetização de cegos adultos”.

No Painel 1 intervieram Inês Marques e Patrícia Valério, do Centro de Apoio à Intervenção Precoce na Deficiência Visual (CAIPDV) da Associação Nacional de Intervenção Precoce (ANIP) e Elisabete Ribeiro, Docente de Educação Especial do Agrupamento de Escolas de Aveiro, com a moderação de Miguel Ferro, Coordenador do Núcleo Braille, em representação do INR, I.P..

O Painel 2 teve como oradoras Maria da Graça Pereira Inácio, Docente de Educação Especial do Agrupamento de Escolas das Olaias (Lisboa); Cristina Maria Pontes Bento, Docente de Educação Especial do Agrupamento de Escolas Rodrigues de Freitas (Porto); Maria Helena Parreira Luís Maxieira, Docente de Educação Especial do Agrupamento de Escolas Romeu Correia (Almada) e foi moderado por Maria José Ascensão, Diretora do Agrupamento de Escolas Rodrigues de Freitas.

No Painel 3 houve lugar às intervenções de Augusto Deodato guerreiro, professor catedrático da ULHT e membro do Núcleo Braille na qualidade de Individualidade de Reconhecido Mérito; Carlota Alexandra da Conceição Brazileiro, docente da Escola Superior de Educação Jean Piaget de Almada; Leonor Moniz Pereira, professora catedrática jubilada da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa; João Fernandes, da Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal
(ACAPO); Isabel Delgado e Vasco Costa, docentes do Centro de Formação de Escolas da A23; com a moderação de Cristina Miguel, da Direção-Geral de Educação, representante do Ministério de Educação no Núcleo Braille.

Por último, No Painel 4 intervieram Amaro Costa, Monitor de formação em Tecnologias da Informação e da Comunicação e Renata Salvador, Técnica Superior de Reabilitação e Insersão Social do Centro de Reabilitação Nossa Senhora dos Anjos, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa; António Pinão Martins, Psicólogo da Associação Promotora de Emprego de Deficientes Visuais (APEDV) e Carlos Bastardo, Psicólogo da Fundação Raquel e Martim Sain, com a moderação de Carlos Ferreira, da Biblioteca Nacional de Portugal, representante do Ministério da Cultura no Núcleo Braille.

As conclusões do Seminário foram elaboradas e apresentadas por Irina Francisco e a Sessão de Encerramento contou com as presenças de suas excelências a Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes e o Secretário de Estado da Educação, João Costa.

Consulte os Resumos das Comunicações e as Notas Biográficas dos Oradores e as Conclusões do Seminário, elaboradas pela Mestre Irina Francisco, Membro do Núcleo Braille, em representação da Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO).

 

Consulte aqui a informação sobre o Seminário “O Livro Braille – Linhas e Pontos na Era Digital” - 2019