Prémio para as Ciências Sociais e Humanas

Atualizado: 01-12-2020

Vencedores de 2020

O Prémio para as Ciências Sociais e Humanas distingue o trabalho académico que, mais contribua para a produção de conhecimento sobre deficiência e inclusão, de acordo com os objetivos do prémio:

  • Incentivar os/as estudantes dos graus de ensino superior de mestrado e de doutoramento para a investigação e a produção de conhecimento sobre deficiência e inclusão, através da realização de trabalhos académicos, na área das ciências sociais e humanas;
  • Combater a discriminação em razão da deficiência e promover a igualdade de oportunidades e a cidadania das pessoas com deficiência;
  • Diminuir o impacto das barreiras sociais, culturais, comportamentais e físicas na inclusão e participação das pessoas com deficiência;
  • Promover os direitos consagrados na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.


Neste ano de 2020, o Prémio para as Ciências Sociais e Humanas foi atribuído a:
 

  • O acesso aos cuidados de saúde primários - A perceção das pessoas com deficiência visual, apresentado por Ana Rita Pereira da Conceição.


Esta Tese de Mestrado em Comunicação Acessível, apresentada à Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria, destaca-se pelo seu enquadramento nos objetivos presentes no art. 2.º do Regulamento do Prémio e apresenta-se academicamente muito bem sustentado, com um enfoque muito prático apontando pistas muito interessantes para futuras investigações na academia e para intervenção técnica na inclusão das pessoas com deficiência na área da Saúde.

Foi atribuída uma 1ª Menção Honrosa ao trabalho:
 

  • Avaliação da Consciência Querológica de Crianças Surdas Portuguesas. Proposta de um instrumento de avaliação: Unidades mínimas da configuração da mão, movimento e local de articulação, o IACQ – LGP, apresentado por Marta Filipa Raposo Picôa Pratas dos Santos.


Esta Tese de Mestrado em Reabilitação Psicomotora, apresentada à Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, destaca-se por aprofundar o estudo sobre a consciência querológica da Língua Gestual Portuguesa, equiparada à consciência fonológica das línguas orais. A criação de um instrumento de avaliação da consciência querológica da LGP de crianças surdas entre os 5 e os 12 anos contribui para a avaliação do seu desenvolvimento linguístico e para uma melhor estruturação do ensino-aprendizagem da LGP, promovendo um maior sucesso educativo.

Foi atribuída uma 2ª Menção Honrosa ao trabalho:
 

  • Incapacidade e agenciamento em pessoas amputadas: da arte do viver, apresentado por Rita Calhaço Marquito.


Esta Tese de Mestrado em Antropologia Médica e Saúde Global, apresentada ao Departamento de Ciências da Vida, da Faculdade de Ciências e Tecnologia, destaca-se sobretudo pela inovação no tema e na forma de o explorar. O método utilizado, bem como as narrativas apresentadas evidenciam como a deficiência é vivida e representada pelas pessoas amputadas, comprovando muitos dos constrangimentos sentidos e enfrentados nas diferentes áreas de vida e que condicionam a sua inclusão.

Materiais de Divulgação

Aceda aos materiais gráficos de divulgação dos Prémios

Documentos disponíveis para descarregar